sexta-feira, 26 de outubro de 2007

O inescrupuloso jogo do poder

A Folha de São Paulo mostra hoje várias matérias sobre a provávl escolha do Brasil como sede da Copa de 2014. Na matéria constam os relatórios feitos pelos inspetores da FIFA que aqui estiveram não faz muito tempo.

Na avaliação, os inspetores praticamente descartaram 6 cidades: Florianópolis, Maceió, Natal, Rio Branco, Campo Grande e Cuiabá aparecem como municípios que hoje não têm capacidade de serem cidades-sedes. A FIFA justifica dizendo que as seis consideradas inadequadas têm o fato de apresentar o ônibus como principal meio de transporte e a ausência de linhas de metrô.

Até aí, tudo bem. O metrô é essencial para se locomover. Mas o problema está no seguinte trecho do relatório: - Concorrentes que não receberam nenhuma restrição também apresentam as linhas de ônibus como principal meio de locomoção, como Belém e Manaus.

E aí vem o inescrupuloso jogo do poder, em Brasília. A frase ficou a cargo da senadora Ideli Salvatti (PT-SC).

- Será que teremos de apoiar a CPMI de Corinthians e MSI para que expliquem em Brasília a escolha das cidades?, disse a nobre parlamentar.

Como assim? Então ela, que não assinou o pedido de instauração da CPMI Corinthians/MSI está ameaçando assinar só para saber o critério para a escolhas das cidades-sede do mundial de 2014?

É brincadeira!

Senadora, a assinatura para a abertura da CPMI tem que ser feita em benefício do futebol brasileiro, não por picuinhas. A CPMI será, com certeza, uma iniciativa louvável do senado e da câmara, para apurar a lavandeira Brasil de jogadores, dirigentes, clubes e federações.

Lamentável.

3 comentários:

Rafael Fontes disse...

Thiago....

Concordo plenamente, a CPMI tem que ser aberta e não só para investigar o Corinthians e sim todos os clubes brasileiros.

Está na hora de um reformulação no futebol brasileiro.

Abraços...

http://comabolacheia.zip.net

Vinicius Grissi disse...

Concordo contigo quase que plenamente. Bacana o blog! Vou linkar no Marcação Cerrada.

Abraços

Graça disse...

Mas é assim neste País, meu amigo. Os nobres do Congresso Brasileiro agem usando os Interesses do Povo como moeda de troca para "fazerem política". Precisamos de mais intelectuais neste País porque até agora, lá, só tem mané...