sábado, 12 de agosto de 2006

São Paulo desce e Inter "Sóbis"

Pelo menos na minha banca de apostas, o Internacional tem 80% de chances de ser campeão.

Repito, para os gaúchos perderem esse título, o São Paulo precisa fazer uma daquelas partidas perfeitas, como foram os jogos contra o River e contra o Liverpool.

O problema é que está cada vez mais difícil isso acontecer. Depois de perder Josué expulso, Ricardo Oliveira tem chances remotas de jogar.

Ontem, uma tragédia tomou conta do CT Tricolor. Os goleiros reservas Bruno e Weverson sofreram um acidente de carro que vitimou o segundo e deixou o primeiro em estado grave, com possibilidades de ficar tetraplégico. Com eles, três jogadoras de vôlei do Finasa/Osasco. A jovem Nathália Lane também faleceu. Clarisse Peixoto e Paula Carbonari sofreram alguns ferimentos, mas não correm risco.

Depois disso, é muito mais difícil voltar a falar de futebol, mas vamos lá.

Gerou muita repercussão e, até alguma celeuma, os gols do Internacional narrados por Pedro Ernesto Denardin, da Rádio Gaúcha, de Porto Alegre.

Aqui neste link, voces podem ouvir os três gols do jogo. Tirem suas próprias conclusões. É só ir no escute os gols da vitória colorada, muito fácil de achar.
http://www.clicrbs.com.br/especiais/jsp/default.jsp?uf=1&local=1&espid=44&section=Home

Na minha opinião, ele fez o que ele achou que tinha que fazer. Expressou o amor dele pelo futebol gaúcho, que está prestes a ganhar a Libertadores, ele expressou o sentimento dele, toda a emoção que ele sentiu ali.

Não é o meu estilo preferido de narração, mas cada um, cada um.

Só discordo em dois pontos.

Primeiro: Ele fala que o Rafael Sóbis tem "cara de gaúcho". O que é ter cara de gaúcjo? É ser loiro de olhos claros? E se o Tinga, negro como o Saci pererê, que é o mascote do Inter, tivesse feito o gol, o que ele diria?

Segundo: Se um narrador de São Paulo narrasse assim o gol da vitória do São Paulo e tivesse que ir narrar o segundo jogo no sul, o que aconteceria com ele?

Aqui deixo uma história para voces pensarem sobre este fato.

Em 1998, o então técnico do Palmeiras, Luiz Felipe Scolari acusou o narrador da Globo, Galvão Bueno, de narrar os gols do Palmeiras em tom infinitamente inferior aos dos seus rivais, em especial o Corinthians. Não é nem preciso dizer o que aconteceu depois. No jogo seguinte do Palmeiras no Palestra, Galvão só foi sair do estádio às 3 horas da manhã.

Agora, o time do São Paulo "usar" essa gravação como motivação para tentar conquistar o título?

Eles não precisam de motivação extra, já ganham muito bem, e merecidamente, diga-se de passagem, e estão na final da Libertadores, que pode render a todos um título inédito, o quarto de um time brasileiro na competição. Isso já é o suficiente. Se esse fato por si só não for motivante, eles não precisam ira até Porto Alegre.


*A história do Galvão está no ótimo livro Jornalismo Esportivo, do Paulo Vinicius Coelho, o PVC.

Um comentário:

mario disse...

Desta vez o São Paulo danço, não acho que foi salto alto(Tirando o RC que foi), mas o são não conseguiu jogar no morumbi vai conseguir no beira rio?
Continue me visitando

T+